O que é VPN? Saiba aqui se a sua empresa precisa desse recurso!

Você e sua equipe de TI estão fartos de caírem em golpes por causa de descuidos de funcionários que não seguem à risca a política de segurança da informação? Saiba que a utilização de uma VPN pode facilitar bastante a sua vida.

Provavelmente, você sabe que quando você está conectado à Internet seus dados trafegam abertamente por ela. Isso pode despertar o interesse de criminosos digitais que querem explorar falhas e roubar informações privilegiadas.

Neste artigo, você entenderá como uma VPN pode ser a solução contra os hackers, de que forma ela funciona e o que é preciso para escolher a melhor. Confira!

Afinal, o que é VPN e como ela funciona de fato?

Basicamente, a VPN (Virtual Private Network) tem a missão de criar uma conexão criptografada entre o seu dispositivo, seja ele móvel (smartphone ou notebook, por exemplo), ou um desktop, a um servidor específico por meio da conexão de internet. Em uma analogia simples, a VPN é como se fosse um túnel que serve para levar o seu carro de um ponto a outro de forma segura..

O fato de ser uma rede privada possibilita  que os usuários que estão navegando não sejam identificados tão facilmente, já que  todos os dados são camuflados. De maneira prática, isso pode barrar a ação de operadoras de internet, governos ditatoriais e, principalmente, o ataque de cybercriminosos que se infiltram em e-mails maliciosos, sites, servidores e assim por diante.

É como se os seus dados sigilosos fossem uma mercadoria frágil que é empacotada para não “quebrar” pela internet, ou seja, você ocultará informações para que outras pessoas e empresas não saibam a origem verdadeira nem o que está trafegando. É possível criar essa rede ao baixar um software de VPN ou realizar o login em sites específicos para isso, de modo que todas as transferências de dados estejam ocultadas até o destino.

Podemos dizer que é um serviço seguro?

Levando em conta que você optará por uma rota alternativa no lugar do caminho tradicional, obviamente que a segurança será bem subjetiva, pois dependerá do serviço escolhido, da compatibilidade de aparelhos, da localização permitida etc. Isto é, a menos que esteja utilizando uma VPN de qualidade, não é recomendado fazer transações financeiras, downloads e uploads de dados.

É importante ressaltarmos que, a princípio, a VPN estabelece uma espécie de protocolo de comunicação entre os dispositivos e a rede, definindo assim os limites aos quais os dados seguirão pelo “túnel” de informações. Há alguns protocolos bem práticos que você pode encontrar em suas pesquisas por uma VPN segura, uma vez que os mais comuns são:

  • OpenVPN (256 bit) — costuma ter o código aberto, velocidade média e conta com suporte para criptografia;
  • L2TP (256 bit) apesar de ser fácilmente bloqueado por alguns sites, apresenta boa velocidade e não tem vulnerabilidades ainda;
  • SSTP (256 bit) embora tenha uma boa criptografia, costuma ser lento;
  • IKEv2 (256 bit) — bom para dispositivos móveis, no entanto, a criptografia é mais fraca;
  • PPTP (128 bit) — mesmo que seja rápido, contém brechas históricas de segurança. 

Por que sua empresa deveria investir em uma VPN? 

Se você já ouviu o boato de que as pessoas que usam o serviço de VPN querem fazer algo ilícito, saiba que até grandes empresas utilizam redes privadas para realizar negociações e estabelecer uma comunicação confiável com outras sedes. Entenda que a intenção não é esconder rastros, mas sim encapsular informações que transitam pela internet, até mesmo respeitando a Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD).

Imaginando que a sua empresa esteja desenvolvendo um produto ou serviço capaz de revolucionar o mercado, de maneira alguma os gestores gostariam que isso vazasse para a concorrência, não é verdade? Sendo assim, a VPN é um importante instrumento de proteção e anonimato, a fim de garantir que os projetos corporativos caminhem em sigilo e, até mesmo evitar ações de engenharia social por parte de cybercriminosos.

A escolha de uma rede privada faz com que você proteja os dados provenientes do seu smartphone ou da empresa, evite a comercialização de informações sigilosas, drible censuras governamentais, acesse conteúdos restritos a outras regiões etc. Além disso, para as empresas que optam por ter colaboradores trabalhando no modelo “home office” ou de forma remota, a VPN auxilia que os funcionários trabalhem em segurança de casa ou usando um acesso Wi-Fi público, barrando assim possíveis invasões.

Como escolher uma boa VPN?

Tendo em vista que existem diversos provedores mundo afora que oferecem serviços VPN, inicialmente é preciso traçar os objetivos da empresa em adquirir um sistema desse porte, de modo que a sua escolha compense no comparativo entre custo x benefício. A seguir, veja algumas recomendações para não correr o risco de levar gato por lebre.

Verifique a compatibilidade dos dispositivos

É bem provável que você encontre VPNs disponíveis em apps móveis para Android e iOS, no entanto, nem todos os sistemas estão disponíveis em todas as plataformas. É preciso ficar de olho também no volume de equipamentos nos quais pretende utilizar esse recurso, pois alguns serviços permitem apenas a utilização de três a cinco dispositivos, no máximo.

Busque por interfaces simples, rápidas e estáveis

Se a sua equipe não tem familiaridade com redes privadas, não adianta buscar por opções complexas demais. O ideal é optar por algo que entregue o desempenho esperado para criptografar informações. Vale ressaltar que uma VPN com vários servidores espalhados costuma minimizar as deficiências de velocidade e que alguns recursos podem apresentar saídas de emergência em caso de falhas.

Veja a cobertura da localização desejada

Dependendo da intenção pela qual sua empresa pretende utilizar a rede privada, torna-se completamente possível acessar inúmeros sites e sistemas específicos de vários locais do mundo. No entanto, fique de olho em algumas legislações, pois países como Bielorrússia, China, Irã, Iraque, Omã, Rússia, Turquia, Uganda, Emirados Árabes e Venezuela, que são bem rígidos quanto ao uso de VPNs.

Decida por um plano rentável

A indecisão entre um plano pago ou um gratuito também é um dos pontos de questionamento, afinal, a chance de sair no prejuízo pode ser grande se você realizar uma escolha errada. Caso a precisão por um serviço desse seja a transmissão de poucos dados, um serviço gratuito pode atender bem, porém, se houver a necessidade de recursos mais completos, vale pagar por uma VPN de primeira linha.

Foque em uma VPN que tenha atendimento ao cliente

Da mesma forma que um antivírus para empresa conta com seu canal de ajuda para dar o suporte necessário, as redes privadas de qualidade devem oferecer um canal eficiente de atendimento aos seus clientes. Por isso é relevante observar comentários em fóruns e qualificações de outros usuários para saber se o serviço oferecido consegue entregar o que promete e, principalmente, assegura um suporte para solucionar as dúvidas.

Para concluirmos, fica como bônus a dica de que é possível implementar e regular sua própria VPN, mas são  indispensáveis alguns conhecimentos quanto à infraestrutura da rede, para não cometer gafes nesse quesito.

Se quer contar com uma empresa especializada em assuntos de SI para ter uma consultoria de qualidade, então não perca tempo e solicite um orçamento agora!

Compartilhe este artigo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Confira os próximos assuntos

O uso do PIX para fraudes

O PIX ainda nem foi lançado, mas os cibercriminosos já estão utilizando o cadastro prévio para roubar informações. Entenda como funciona e saiba prevenir seus colaboradores.