Os benefícios e riscos de adotar BYOD

Uma pesquisa realizada pela ESET revela que 42% das empresas não estavam preparadas para o home office no início da pandemia. Faltavam equipamentos que pudessem ser transportados do trabalho para a casa dos colaboradores.

Em muitos casos, a solução foi permitir que o profissional utilizasse seu próprio equipamento, forçando muitas empresas a adotar “BYOD”, mesmo que muitas delas não entendam o significado desta sigla.

O conceito de BYOD permite que os colaboradores utilizem seus próprios dispositivos para acessar a rede da empresa. Adotar BYOD proporciona benefícios, mas também gera riscos para o negócio.

O que é BYOD?

BYOD (Bring Your Own Device) é um conceito que permite ao profissional trazer seu dispositivo móvel para dentro da empresa. Isso quer dizer que, em vez de proibir que o colaborador utilize seu smartphone, tablet ou mesmo laptop durante o expediente, a empresa autoriza o uso desse recurso e aproveita os benefícios que ele pode oferecer.

Além de estimular o uso do equipamento, as empresas oferecem acesso às redes de dados e conexão com a internet. Assim, o colaborador pode usar o aparelho em seus momentos de distração ou até mesmo para trabalhar.

No contexto da pandemia causada pelo coronavírus, muitas empresas tem dificuldades em controlar se o colaborador está ou não usando seu aparelho no home office. Além disso, muitas foram obrigadas a autorizar o uso do computador pessoal do colaborador de forma emergencial, pois não tinham equipamentos disponíveis para os profissionais levarem para casa.

Por isso implementar o BYOD de forma planejada pode ser uma alternativa para fazer com que sua adoção seja mais segura. A empresa consegue orientar a configuração ideal para o aparelho e oferecer recursos para que o acesso à rede seja feito de forma protegida.

Quais são os benefícios e riscos de adotar BYOD nas empresas?

A pesquisa Global Mobile Consumer Survey, da Deloitte, levantou que 92% dos brasileiros têm mais acesso ao smartphone, enquanto que 70% tiveram acesso a notebook.

O smartphone foi mencionado por 60% dos entrevistados como um recurso utilizado para trabalho. As principais formas de uso são para envio e recebimento de e-mails (62%) e mensagens instantâneas entre colegas ou clientes (60%).

Embora o uso do smartphone seja maior, agora as empresas também precisam se preocupar com outros aparelhos que podem acessar a rede da empresa. É o caso de computadores, notebooks e tablets pessoais.

Um dispositivo móvel que não está sob o domínio da organização oferece muitos riscos. O primeiro deles é que a empresa não pode controlar o que o profissional instala no aparelho. Dessa forma, a prática de Shadow IT – quando o colaborador utiliza um aplicativo que não é permitido – se torna frequente.

Além disso, aumenta a vulnerabilidade da rede corporativa, uma vez que as proteções instaladas no dispositivo são desconhecidas, o que pode fazer com que a empresa sofra com um ataque ou invasão, que pode causar o roubo de dados. Os próprios funcionários, quando mal intencionados, também possuem maior facilidade de obter dados da empresa e transmiti-los para pessoas não autorizadas, o chamado vazamento de informações.

A melhor forma de evitar essas ameaças é investindo em uma política de segurança da informação que compreenda o conceito de BYOD, além de utilizar um sistema de prevenção de perda de dados eficiente para proteger os dados confidenciais do negócio.

 

Compartilhe este artigo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Confira os próximos assuntos

Aumento explosivo de infecções por Ransomware

Ransomware já é uma grande ameaça para os dados corporativos, e a demanda da diversidade de ataques não para de crescer. Entenda como ele ataca, como se proteger e quais ferramentas usar para ajudar.