Virtualização de servidores: saiba quais os benefícios

Ao pensar em virtualização de servidores, é bem provável que você já tenha lembrado da estratégia de SD-WAN, não é verdade? Saiba que existe um degrau anterior à essa ferramenta, que também é responsável por trazer grandes benefícios para o TI. 

Embora pareça um assunto mais atual, a IBM já mexia com virtualização lá na década de 1960, cuja primeira máquina virtual foi o Convertional Monitor System (CMS). Atualmente, diversas empresas trabalham com esse tipo de recurso, muito por conta das facilidades apresentadas e de como pode solucionar alguns problemas, ou até mesmo por conta do retorno sobre o investimento.

Neste artigo, nossa intenção é explicar melhor os princípios da virtualização, de modo que você compreenda o que é e as suas vantagens. Confira!

O que é virtualização?

Basicamente o intuito da virtualização é desenvolver um ambiente simulado em um servidor ou computador físico, a fim de executar um determinado programa ou sistema sem causar qualquer interferência no hardware original. Sendo assim, por meio de uma máquina é possível trabalhar com várias outras, que poderão além de outras coisas, rodar sistemas operacionais distintos.

Para que isso ocorra, a camada de virtualização é realizada por um software que servirá como elemento central do enfileiramento de máquinas virtuais. Esse tipo de estratégia costuma ser utilizada quando há um hardware físico robusto e a equipe de TI decide otimizá-lo criando dentro deste compartimentos menores de hardwares virtuais.

O funcionamento da máquina virtual é muito semelhante ao de um computador físico, porém os recursos como capacidade de memória, rede, armazenamento e demais aspectos são administrados de forma separada. Existem vários softwares que fazem a função de camada virtual, sendo que o hypervisor é o mais utilizado pelos profissionais de TI para validar as informações enviadas para a CPU.

Quais são as principais formas de virtualização?

A virtualização causa um tremendo impacto no ambiente de TI, afinal, toda mudança na infraestrutura pode representar novas formas de aproveitamento de recursos e utilização de sistemas físicos. De maneira resumida, veja abaixo os conceitos das principais formas de virtualização existentes.

Virtualização de Aplicações

Quem tem o costume de lidar com o ambiente de TI sabe muito bem que é comum rodar aplicações em sistemas operacionais diferentes. Todavia, dentro desse cenário já não há necessidade de comprar duas ou mais máquinas para utilizar esses sistemas, sendo a melhor solução ter duas máquinas virtuais para usufruir de cada aplicação e, com isso, reduzir possíveis custos com manutenção. 

Virtualização de Armazenamento

O conceito é bem simples, pois consiste em centralizar os dados recebidos e, com isso, deixar os sistemas físicos e virtuais acessarem esse armazenamento compartilhado, proporcionando um conjunto homogêneo. A partir dessa estrutura que agrupa os dispositivos, os administradores podem gerenciar as informações armazenadas mediante um console central.

Virtualização de Desktops

Muito semelhante ao caso das aplicações, a virtualização de desktops se destaca no quesito de armazenar uma área de trabalho em um servidor remoto, possibilitando assim o seu acesso por meio de qualquer dispositivo. Isso ajuda a minimizar o risco de roubo de dados, pois a transferência de informações acontece com protocolos seguros. 

Virtualização de Rede

Na intenção de permitir que aconteça um monitoramento aprimorado, a virtualização de rede tem a missão de criar várias sub-redes dentro da mesma estrutura física, que podem ou não estabelecer comunicação entre elas. Com esse tipo de estratégia é possível ter um monitoramento ampliado e facilitar a identificação de dados, redimensionando a rede de forma adequada às necessidades da empresa.

Virtualização de Servidores

Utilizando-se de um segmento de hardware independente, a ideia central nesse caso é consolidar vários servidores virtuais dentro de um servidor físico, chamado de host, de modo que cada pequeno hardware possa hospedar uma máquina virtual. Vale ressaltar que qualquer cluster (grupo) de servidores é tido como um único dispositivo. 

Como a virtualização de servidores funciona?

Bom, aprofundando-nos um pouco mais na questão da virtualização de servidores, podemos chegar a um exemplo simples para compreender com exatidão: imagine que você tenha um servidor com 100 GB de memória, mas utilize apenas 20% disso. Com o processo de virtualização, você pode configurar outras quatro máquinas, por exemplo, fazendo uso de 20 GB em cada uma delas.

É preciso salientar que as máquinas virtuais criadas devem estar conectadas a uma SAN (Storage Area Network), isto é, um local específico para armazenar esse compartilhamento de servidores. Depois que é feita essa conexão fica mais fácil distribuir o desempenho e definir as prioridades, levando em conta que o ambiente virtual exige uma alta demanda de recursos.

Quais são as principais vantagens da virtualização de servidores?

Ao utilizar a virtualização, o primeiro grande benefício é a otimização do tempo de inatividade, evitando possíveis perdas de informações que dariam uma grande dor de cabeça nos moldes da Lei Geral de Proteção de Dados (LGPD). Quanto aos custos operacionais, pode-se dizer que a conta de luz não virá tão cara quanto antes, pois os gastos com a refrigeração das máquinas serão minimizados e você também economizará em espaço físico, por não precisar manter uma infraestrutura tão grande de máquinas e servidores..

A obtenção de um espaço físico maior pode solucionar problemas de design da empresa, redesenhando o layout para abrigar outros departamentos ou facilitar o trânsito de pessoas, tornando o ambiente mais acessível. Mas, ao virtualizar máquinas, você pode estar a um passo de migrar seus servidores para a nuvem, o que agregaria além dos benefícios já citados, uma maior agilidade no trâmite de informações, já que toda a infraestrutura realocada fora da empresa passa a poder ser acessada mais facilmente de qualquer lugar, valendo-se de plataformas mais ágeis, com a mínima indisponibilidade.

Para a finalidade de treinamentos, as máquinas virtuais ajudam a desenvolver simulações, ou seja, você pode orientar sua equipe quanto aos ataques de phishing, por exemplo, e preparar os colaboradores para lidar com possíveis artimanhas dos hackers. Não podemos deixar de mencionar também que a virtualização de servidores facilita o backup de dados, tornando o processo tão simples quanto mover arquivos de uma máquina virtual a outra.

Por fim, antes de buscar soluções de virtualização, mapeie as necessidades da empresa, defina quais seriam os ajustes, a fim de melhor aproveitar os recursos das máquinas físicas existentes, ou dimensionar a compra de novos hardwares mais parrudos, além de distribuir melhor o fluxo de atividades da sua equipe e, acima de tudo, não deixe de contar com a expertise de profissionais que podem promover um diagnóstico de excelência e apontar possíveis melhorias para o seu ambiente de TI.

Se você gostou deste artigo, mas gostaria de saber mais sobre o assunto na prática, então entre em contato com a gente agora mesmo para tirarmos as suas dúvidas!

Compartilhe este artigo

Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on whatsapp
Share on email
Share on telegram

Confira os próximos assuntos

O uso do PIX para fraudes

O PIX ainda nem foi lançado, mas os cibercriminosos já estão utilizando o cadastro prévio para roubar informações. Entenda como funciona e saiba prevenir seus colaboradores.